segunda-feira, 15 de janeiro de 2007


NÃO SE DEVIA DIZER, MAS...

Hoje não vamos falar do que se diz de pior, mas de uma norma de escrita que cada vez se usa menos e que poderá ter repercussões a nível da oralidade.

Falemos, então, do PARÁGRAFO.

Para quem só comece agora a ler e leia apenas o que a imprensa nos dá, ficará sem saber o que significa aquela “entrada no texto que se distingue das margens com que a página é formatada”. E isto acontece porque, regra geral, na imprensa já não se usa.

A questão que se coloca é saber se se deve continuar a insistir no uso do parágrafo. E se tal ausência poderá prejudicar a comunicação oral.

Para ambas as questões, achamos que a resposta tem de ser afirmativa.

Um parágrafo é “uma unidade no texto (com ou mais períodos) no qual se desenvolve uma ideia (central); podendo ter outras (secundárias) associadas.” Ora se é através da leitura que melhor se aprende a pensar, saber, falar, faz todo o sentido que se continue a assinalar a tal entrada que identifica, na escrita, o parágrafo. E, assim, ao contrário de se considerar uma regra supérflua, o respeito por esta norma da escrita, facilitaria o desenvolvimento do próprio raciocínio.

Vamos, então, manter a tradição...
Ou, então, alteremos a regra e passemos a assinalar o parágrafo de outra forma, como já acontece em muitos textos, fazendo um espaço maior entre cada unidade de texto - parágrafo. Mas que se estabeleça a regra. Seria importante...

4 comentários:

Alien8 disse...

Ponto final, parágrafo :)

Um beijo.

Parágrafo.

Ou não.

Belos parágrafos, os que escreveste, tão bem separadinhos. A regra? Bem, pode ser com ou sem entrada, mas sempre, sempre com separação maior. Gosto mais assim :)

Parágrafo.

Outro beijo.

Cristina disse...

muito interessante e útil :))

mais! :)))


beijinhos

Rosalina disse...

é alien. julgo que esta seja a melhor forma de passar a identificar os parágrafos. ;)

gostei do ritmo dos beijos. ponto final.

parágrafo.

beijo.

ponto final.

parágrafo.

também.

Rosalina disse...

e vai haver, cristina. ;)

aliás, aí pra baixo já há outro, sobre a palavra inclusive.

beijocas.